terça-feira, 10 de julho de 2012

Guerra Civil?


Hoje depois de sair do meu segundo supermercado da semana com o cartão de crédito de mensagem "não autorizado" fiquei pensando como estamos neste país de poucos milionários zombando de um povo miserável que acha que está saindo da linha de pobreza. Pois paguei minha fatura no conforto da minha casa (sistema On Line) no dia correto e no valor total. Na hora o dinheiro saiu da minha conta, mas há dois dias algum banqueiro está dentro de um jatinho particular com putas pagas com meu dinheiro "esperando" a compensação da fatura.

Diariamente vejo meu ônibus demorar 40 à 50 minutos enquanto vejo outros saindo 3 até 4 linhas mandando gente e eu lá... apodrecendo meu dia, perdendo minutos da minha vida porque as políticas públicas privilegiam poucos.

Dias atrás uma pessoa com dor estava há mais de 12 horas esperando atendimento e ouviu um deboche de um segurança (terceirizado) que ela estivesse à vontade para fazer o que quiser, quando então quebrou o vidro do guichê de atendimento e agrediu os seguranças, por um único e exclusivo direito fundamental: fazer valer o impostômetro de São Paulo batendo a casa dos 700 BILHÕES em impostos.

Estamos em ano eleitoral, e penso que como posso confiar numa geração herdando os nomes dos pais na política (ou seja) criada na mais luxuosa infância milionária como Thor Batista, que não sabe nem como pegar um ônibus pra zona norte da minha cidade ter a audácia de saber como ou o quê o povo precisa.

Sim, estou em um dia de fúria, pois é a segunda vez que deposito dinheiro na minha conta em envelope (cujo nome ainda está limpo) demorar 2 dias para entrar na conta... que "limbo" é este que o dinheiro some da conta e as contas ou depósitos não entram.

Meu banco não me libera uma sequer linha de crédito para eu desafogar, mas deixo anualmente todas as somas de tarifas e anuidades e tarifas de pacote, fora o meu dinheiro que pra ele eu dou à 0,3% e que pra mim é quase 10% (sim agora eles reduziram, era mais de 15%).

Vai ter gente contra outras à favor, mas sinceramente, o que o Brasil precisa é de uma guerra civil, queimar ônibus, apedrejar bancos, fazer sumir à balas potentes na cabeça, esta escória que faz o povo cada vez mais se espremer numa realidade dura e sem previsão de mudança, que não investe em educação, segurança e saúde.

Eu cansei, e quer saber, apertei o botão do "foda-se"! Porque o problema não é o tipo de sistema, (presidencialismo, comunismo ou o cacete) o capitalismo é bom SE não existissem filhos da puta enriquecendo a cada segundo a custo de sangue de muita gente com a mais alta ganância, e o Estado não cumprindo o mínimo sequer.

E não sou partidário de ninguém, até porque depois da tantas maracutaias e como última a maldita foto do Maluf e o Lula juntos, eu não acredito em mais ninguém há muito tempo.

terça-feira, 29 de maio de 2012

sono


É realmente incrivel como o inconsciente trabalha mesmo quando a gente não está com o pé no mundo. Ao mesmo tempo pra se chegar neste estágio de não ter o corpo aqui, precisa-se sempre se ter uma postura ou dia bom, para então poder viajar ao cosmos sem nenhum sofrimento. Pra quem ainda não pescou eu dou o peixe: estou falando de sono.

Faz quase uma semana que não estou tendo um sono bom, ando preocupado, elétrico, ansioso, sei lá. Pra quem já tem apinéia e já procurou especialistas que sacramentam um aparelho bombeador de ar (cpap) pra ter socado na cara, com o valor bem dispendioso pra enfim ter meu sono reparador, afirmo que nem ele me ajudaria agora.

Lidar emocionalmente com as funções do dia e o acúmulo de informações, faz com que teu cérebro pareça uma máquina velha com o HD girando e fazendo um zunido, adicione aí a imagem dos desenhos do pica-pau com fumaça saindo dos ouvidos. Tanto é verdade que na maioria das vezes temos crises agudas de sono durante o dia e não estou falando daquele "soninho" depois do meio-dia.

Quem sabe tiramos um pouco o pé do acelerador e acabamos com a história de que o mundo deve ser salvo por nós. Repensar nossa lista diária de tarefas, e trabalhar (mesmo com aquele chefe maldito) num rítmo menos animalesco. Vamos chegar em casa desligados do trabalho, curtir quem está com a gente e tentar fazer do final do dia um brinde ao realizado. Sem culpa, sem frustrações, nem bocejos em sequência o dia todo.

Eu me vou, preciso ir, tá na hora do meu sono. Lembrando de que se a apinéia vencer me despeço da vida dormindo... cpap, minha próxima aquisição.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

fim de ano

Dizem que sou louco,
Por pensa assim...

É esta música reflete um pouco do que acho de todo o final de ano. Esta verdadeira selva de anúncios e da abundância de sensibilidade... as empresas "incentivam" adoções em lares de idosos solitários, creches de crianças sem lar; pessoas se emocionam com uma propagandas de fim de ano... e Jesus, como compram. Compram como uma manada de búfalos desenfreada vindo contra um presépio feito de papel, fazendo da boca dos que ganham, um fiel retrato de um buraco extremamente arregaçado pelo sorriso de um bolso cheio.

Sabe para os mais íntimos, não é novidade que eu não tenho minha fé atualizada e me considero um ateu ou agnóstico (assim desta maneira espanto algum conversor de almas por pensar que seria mais uma igreja nova)* ou então esteja de mal com o Cara de um tempo pra cá e talvez me resolva com Ele aqui na Terra um dia, ou quem sabe pessoalmente mesmo, se eu não for queimar no inferno.

Contudo, nunca vou desrespeitar a fé ou o sentimento de alguém e acho sim, que se moramos num mundo onde no fim de ano se celebra algo religioso por bilhões de pessoas, devo me comportar e fazer as coisas como mandam o protocolo.

Mas vejo na cara dos responsáveis por montá-lo, que o aniversariante está longe de ser homenageado... o máximo é deixar a televisão ligada depois de meia-noite na Rede Globo que mesmo vista como uma besta dos tempos modernos, é Judia e mesmo assim transmite para os lares brasileiros a Missa do Galo e o Papa, simples assim, fala para um sofá vazio e uma sala repleta de papéis de presentes rasgados ao chão, e na mesa que se fez a ceia... sobrou tanto que poderíamos nos alimentar a semana inteira.

Ei, você agora me apedrejando e gritando: amargo, ateu desgraçado!... Te acalma querido, não precisa ir até o final do texto, mas se fores, te digo que adimito adorar festas, gosto de comer e gosto de ganhar presentes, mas vamos combinar que o mês de dezembro é o que há de mais nojento na vida de quem quer uma vida tranquila. Eu tenho filho, também preciso fazer ele feliz com um presente, sobrinhos... e assim vai... mas não muda o que acho do mês mais cínico do ano.

Desculpem, mas eu odeio o final de ano. As pessoas fingem o que não são... fazem somente em dezembro o que poderiam (em relação à generosidade, carinho, gentilezas) fazer o ano inteiro, e na virada do ano então, te desejam coisas somente da boca pra fora. Sem esquecer claro, de talvez mais uma mesa farta de coisas para alimentar um batalhão. E claro, aquela "troquinha de presentes" atrasada que não foi feita no Natal, pois todo o ano, tem o décimo terceiro salário, e ele poderia já há muito tempo trocar de nome: "Bolsa Família para Idiotas".

Após tudo isso, soma-se uma manhã de talvez 2 de janeiro onde tudo volta ao normal (mais a resssaca e as dívidas que virão) e tu quer mais é que metade de quem tu abraçou se foda!

Contudo eu ainda espero que haja um final de ano onde a alegria será verdadeira e a festa feita reunindo pessoas que realmente ama, e que abusos não aconteçam, pois segundo a religião cristã, o aniversariante que movimenta a festa toda, ganhou somente um pouco de ouro, incenso e mirra, deitado sobre uma cama de palha.


*(frase retirada de uma coluna de O Globo na "Fábula do Jornalista e do Taxista")

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

voraz

Quando tu passa o dia e a noite sozinho, tu percebe que a solidão e o silêncio preenchem uma coisa que talvez eu jamais possa explicar. E independente do sol ou da lua, ficamos incertos em querer apenas num instante, um em detrimento do outro, e o inverso também vale é claro.

Vazios são assim; cheios do nada, abertos pro incerto, e repletos de medo. Alguns diriam que é covardia temer o futuro, mas é apenas um jeito de olhar as coisas, quando não se tem mais 20 anos. Não me sinto velho, mas sei das consequências das escolhas que fiz e escrevi no livro da minha vida que carrego debaixo do braço, com os atalhos que tentei dar, me perdendo no próprio caminho.

Ninguém merece a solidão, e eu não disse estar sozinho, exceto os que preferem, e nem sempre os que assim o fazem, se completam desta maneira, jogando fora talvez uma migalha do que nesta vida pode ser único e consolador, como uma simples e fiel companhia.

Diferente de estar sozinho, a solidão é voraz, ela come sua vida, seus desejos, seus gestos, o amor de si, e os carrega pra longe, fazendo-o perder-se numa loucura, insensatez, e com o tempo a visão não enxerga mais aonde eles foram parar.

Cada vez que sento, em uma sombra, cansado da caminhada pra dar um novo traçado para as minhas andanças abro o meu livro, e sempre dou de cara com os erros, e fico me lamentando o porque não fiz diferente? Porque me deixei ficar assim? Aí eu o fecho e esqueço de ler as páginas onde ficaram meus melhores atributos, as relíquias, meus acertos, e as lembranças das pessoas que tanto já falaram pra mim o quanto sou confortador.

A vida é assim mesmo.

Às vezes é sim, outras não.

Às vezes paz, outras guerras.
Às vezes mais, outras menos.

Fico pensando e olhando em minhas "paradas" pra descanso, que o rio sempre corre para o mesmo lado seguindo um fluxo que ninguém vai mudar, e fico tempos assim com minha vida, deixando ela correr como água e encontrar o oceano do descanso. É neste momento que estou agora, e atento para qualquer movimento estranho, que tentem me deixar na loucura obscura da vida pois se assim for, será voraz.


terça-feira, 15 de novembro de 2011

time is money


Fiquei muito tempo sem escrever, eu sei. Meu rítmo, minha vida não seguiu na mesma intensidade das minhas idéias. Se você que me fez chegar a mais de cinco mil acessos faz parte disto ou é sua primeira vez, mesmo assim obrigado.

Não sou colunista, tampouco escritor. Nem autor dos inúmeros textos dos sempre "Martha Medeiros, Arnaldo Jabor, ou Luis Fernando Veríssimo" que rolam pela rede. Escrevo sobre qualquer coisa, muitas já foram sobre minha vida, outras ilusões, já me atrevi à poemas, meras crônicas que depois amigos me perguntavam se eram verdade, mas não eram... apenas minha mente maluca criando personagens e pregando peças, às vezes em mim mesmo.

Meu 2011 foi difícil mesmo e por mais tempo que tenha passado em casa, devido há um acidente no quinto dia de minhas férias em janeiro, acredito que a mente também resolveu travar. Bem como travei na porta do aeroporto com a cadeira de rodas pre entregar meu filho pra outro continente. Tenho no subconsciente a certeza da verdadeira inutilidade que foi tentar dormir e acordar durante todos dias.

Sempre quis escrever com o máximo de regularidade, mas é só tu te largar nas cordas uma senama que a disciplina vai embora. Tempo é uma coisa estranha. Pra alguns é um bálsamo pra outros uma tortura, como faço parte da segunda definição, ainda acrescento que olhando bem na cara dele... dá pra ver nitidamente um sorriso libertino com um dedo ressecado apontado na sua cara.

Parece que precisamos a todo momento estarmos prontos pra tudo, precisamos ser indestrutíveis, nunca desanimarmos, e sermos acima de tudo, doces criaturas sempre, durante todo o... tempo.

Algumas pessoas se orgulham pra falar na teoria de que o tempo nos é divino e é óbvio que não concordo, se assim o fosse deixaria de açoitar o mundo não deixando nem a carne sangrando nas costas, pois o passado tu nunca vai poder mudar, o futuro não pertence a nenhum personagem bíblico, desculpa se te magoei!

O futuro pertence conforme a quantidade de dinheiro que carrega tua conta bancária, aí fica fácil ter religião, acreditar no improvável, simples assim. Ou você já viu a Bolsa de Nova York de mãos dadas orando fervorosamente para as ações deixarem de cair? Ou melhor: a Europa agora... algum dos governantes fazendo novena? Correm boatos que fizeram isso em 1929, o e resultado todo mundo sabe. Quem manda no mundo é o dinheiro. E com ele, se compra até o tempo.

No mais... é só ficar escutando o maldito tic-tac, te avisando que tu ta preso mesmo é no presente, que carrega até no nome o próprio deboche, cercado de zumbis olhando pro próprio umbigo e para os extratos bancários.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

televisão


Um colunista de O Globo.com escrevendo sobre o televisionamento dos jogos em TV aberta afirma que outros times só não aparecem mais nas transmissões do Brasileirão porque na porcentagem de compra no PPV (canais à cabo no qual se compram os jogos) elas aparecem em baixa. Pra mim isto é piada pronta, não sei pra você.

Mesmo sendo até uma pesquisa séria, um levantamento considerável, não podemos descartar o bom senso e uma verdade irrefutável: independente de compra ou não do famigerado "Pay Per View" que pertence (que coincidência) também à mesma emissora, os torcedores não morreram ou desapareceram, e se não compram os pacotes de PPV, em primeiro lugar, é porque televisão à cabo no Brasil não é parâmetro pra nada comparado com a TV aberta – que também não se pode dar o desfrute de se achar algo compravável com qualquer intuito social neste país de escremento mental.

Continuo assistindo quando quero e vendo o que quero (continuando torcendo pro meu time) que continua aparecendo na TV aberta sempre quando a única emissora quer, ou seja, quase nunca... só mostrando sempre os mesmos times... do centro do país. Mas entendi, agora a culpa é da pesquisa.

Já que conseguiram "virar a mesa" junto com a CBF sobre contratos assinados com outra emissora, portanto sejamos honestos e coerentes. Futebol é um esporte popular e que merece dar atenção à todos os torcedores do país... desde os ricos que nem precisam da transmissão (pois assistem sempre nos camarotes vips dos estádios), até aquele desdentado que a Globo adora mostrar nas arquibancadas segurando um cartaz dizendo amar o narrador... e que com certeza não tem TV à cabo em casa.

Para os que odeiam futebol e parecem ter um AVC nas quartas e nos domingos: te manca, vai pegar num cabo da enxada ou ler um livro, a televisão não foi feita pra ti, e se fosse já teria falido, pois nenhuma empresa vive da qualidade de opção à qual tu "paranóicamente" te prende. Quer novela? Quer programinha de auditório?

Aqui não é Europa, e se fosse não teria esse arranjo escancarado de emissora com presidente de entidades futebolísticas. Arranjos políticos, na calada das copas do mundo, aumento dos próprios salários e esculhambações infindáveis. Nem lá pra cima a coisa é tão "limpa" assim.

Portanto, vamos deixar de tratar o telespectador como se fosse um estúpido e idiota porque entre o barro do fundo do poço e a beirada lá em cima dele, tem gente que não engole as "marmotas" pra desculpar o que na verdade é indesculpável: qualidade na televisão e principalmente imparcialidade. Vamos honrar a concessão dada pelo governo para existir, ou ela foi arranjada? Creio que não (quero acreditar nisso) então volta lá no início e consulta o manual de ética da empresa e lê o capítulo sobre satisfação do cliente.

Eu ainda tenho feito o exercício mais fácil de todos para não ser incomodado pela falta de escrúpulos (não só de futebol) nas programações da TV, que nos meus já se vão 30 e poucos anos vi muita coisa já... inclusive na volta da democracia, edições de debates políticos em época de eleição presidencial... mas vamos deixar pra outra conversa isso, pois não tenho vocação pra escrever bíblia.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

dez

Quando dei o último abraço num distante fevereiro na porta do embarque internacional, já sabia que o dia de hoje estaria nesta condição: meu filho fazendo dez anos e à milhas de distância de mim... cosmopolita, quase poliglota entregue às portas do mundo, bastando apenas pra mim sentir as palpitações da saudade e relâmpagos de proximidade que somente os sonhos me fazem ficar à ele.

Hoje ele faz uma década de vida, cercado de pessoas que o amam, e com o privilégio de ter muito distante dele muitas outras que sentem a mesma mistura de amor e saudade. Como meu corpo não flutua na velocidade da luz, fico pelas ondas físicas da comunicação, que junto com a euforia, mistura ali um pouco frustração de não poder estar, hoje, perto dele pra abraçá-lo com toda a minha força.

Somente um amor, o da cria, pode ser forte, quiçá indestrutível, sendo indiferente à qualquer distância que dois corpos possam estar separados pelo mundo. Ele é parte de mim, meu sangue, e leva linhas concretas do meu rosto ao dele com seus grandes olhos devorando o mundo... simples assim.

Nesta noite com certeza vou sonhar com um coração de asas... que voará longe... cruzará mares, e velhos mundos... e ficará junto da pessoa que amo de maneira mais absurda que jamais sentimento algum ousou sublimar. E quando chegar aonde o meu amor levar... pousará suas asas num eterno abraço, comemorando exatamente hoje uma década de história de sua pequena, mas já grande, vida.

E fica aquele sentimento estranho quando falamos de como o mundo é uma aldeia... mas em certos momentos tu te toca, que na real mesmo, o mundo é pequeno somente pra quem nunca sentiu saudade.

Feliz Aniversário, meu filho.
Te amo!

terça-feira, 19 de julho de 2011

estigma

Este é o nome que se dá à uma lembrança venenosa para agressão verbal, razão pela qual as pessoas se aproveitam pra poder te julgar pelo que tu um dia foi... é... ou um um dia cometeu, validando este conceito pro resto da vida. E não importanto quantos kilos de feijão tu comovido serviu àquele negro etíope que fez o fotógrafo ganhar o prêmio "pulitzer" de melhor fotografia.

Neste câncer de pessoas podres que se aproveitam de não serem tetraplégicas pra levantar a mão, apontar o dedo sujo e hipócrita e te julgar e te ofender de maneira cirúrgica com palavras que doem lá na medula, com a mais absoluta tranquilidade, mostra o quão telenovela barata nova vida se transforma todos e todos os dias.

Estamos num mundo onde somente o glamour e as fotos das revistas de fofocas têm valor.

Os erros, os abusos, são esquecidos e entra-se numa partida sem fim de xadrez pra ver quem vence quem, pois ninguém quer perder a razão numa discussão que não levará à lugar algum.

Vergonha na cara é uma coisa que morreu na explosão que levou os dinossauros pra falência vital. O que sobrou, são meros corpos recheados de vaidade e inflados de "pseudorazão" que enquanto não lerem nos velhos dicionários que "tolerância" e saber ceder pode ser a causa de um novo momento de começar a descobrir que a fruta podre pode até vir à morrer mas deixará, quem sabe, o fruto que herdará as virtudes já há tantos milhares de anos esquecidas.

Lembre-se: teu passado, problema momentêneo ou erro que venha a ter cometido é a sentença que sempre será usada para julgar e atingir tua moral, decepando teus joelhos, sobrando aos teus olhos, a visão do sorriso e a felicidade de quem o fez com o mais molhado gozo.

Prefiro a faca no peito ou uma arma na têmpora a uma língua venenosa de ódio atingindo meu nem tanto intransponível ser combalido e com tantos defeitos quanto você.


quinta-feira, 23 de junho de 2011

transgredir sempre!


Como todo e bom ser imperfeito que somos, nascemos com o dom da contrariedade. A rotina que o meio impõem seguem padrões que não são aceitos pela maioria. Quando questionados, são severamente punidos. Transgredir é, além de violar, trazer algo diferente e melhor.

Questionar, relutar com a situação é não aceitar normas impostas, pois com a transgressão achamos que algo pode ficar mais fácil. Nem todos enxergam isso. Com o tempo, muitas pessoas calam-se de tanto "apanhar", ostentando a generalização pejorativa de contestador, como se isso fosse algo negativo.

Num primeiro momento, se analisássemos o "contestador" como um revolucionário, poderíamos ter a expectativa de que toda a revolução nos traz algo de novo, mas não é o que vê. A visão que se tem do transgressor é de ameaça, logo, a sociedade pune-o por não suportá-lo, sem saber que no fundo não está preparada para ele. O que consola é vermos que toda a grande ideologia (sim, um dia ela já existiu!) começou assim: perpetuar idéias às custas de muito sofrimento.

Quando o mundo, um dia, souber dar ouvidos à trangressões e até alimentá-las, paradigmas cairão por terra e a vida pode tornar-se diferente para uma verdadeira multidão. Como diria Lya Luft: "pensar é trangredir".

quarta-feira, 15 de junho de 2011

ética

A preocupação com os impulsos da corrupção e violência somados à falta de educação e perspectiva, conflitua com uma sociedade caótica, trazendo à conclusão óbvia de que há muito tempo a ética deixou de ser praticada. (Que novidade! Descobri o Brasil!)

Os indivíduos voltam-se para as suas necessidades sem pensar nas do semelhante, e na ânsia da busca dos objetivos comuns e metas (seja lá quais forem), perde-se a completa noção de respeito e civilidade. Muitas informações são jogadas a todo instante, faltando percepção para reciclar as que realmente agregariam maior enriquecimento. As novas gerações crescem já desconhecendo os valores praticados pelos avós numa sociedade cada vez mais mutante.

Paralelamente à isso, consequências catastróficas pela falta de ética são exercidos pelo poder público, num verdadeiro "delírio coletivo" de corrupção consumindo verbas que muito serviriam para necessidades básicas da população. Educação seria uma delas, pois é a grande propulsora do desenvolvimento de verdadeiros cidadãos e consequentemente éticos em sua plenitude.

Essa ausência de valores, atrofia cada vez mais a cultura potencial de grandes países em desenvolvimento. Gerações que herdarão esta sociedade, vão arcar também com os resultados já alarmantes de um mundo onde ética só existe mesmo no dicionário, e muitos acreditam ainda que se escreve com "h".

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Anestesia

ANTES DE QUALUER COISA... TODAS as profissões têm gente boa, mas sinceramente as perversas nos tomam de ódio. Falam que puta é gente de vida fácil... coitadas... elas pelo menos dão o que prometem, gemem, dizem que tá gostoso te fazem gozar e não pedem reembolso, isso é trabalho, meu amigo.

Profissão de vida fácil é o que mais tem por aqui neste país filho da puta.Quem já passou por uma cirurgia geral e acorda chapado com o anestesista carregando uma prancheta na mão e uma caneta na outra pra ti assinar sabe-se lá o quê enquanto tu baba e te desentubam, deve saber do que to falando.

Vou começar a abastecer meu carro nos postos, achar a tabela alta, e mandar cobrar a diferença do que eu acho usto da Petrobrás... Parece engraçado... é como pagar ingreso pro futebol, entrar no estádio e antes de começar a partida entrar um filho da puta com um cofrinho recolhendo dinheiro pra pagar o aluguel da bola... digo isso porque os planos de saúde não cobrem completamente o valor da anestesia... como se fosse supérfulo num caso de intervenão curúirgica.

País do caralho! Trancreverei o diálogo com anestesista: (sim o plano cobre a anestesia com um valor de tabela que pode sim ser contestado, mas o que neste país não é contestado? Logo, como os anestesisteas são unidos eles não se credenciam nos planos (o que é uma maravilha) precisarei pagar pra complementar o serviço... Imagina a cena: tu, o pessoal do markeing, administrativo, produção... serem unidos e pedirem caixa dois da empresa porque o salário salário está abaixo do que eles gostariam de ganhar... conheço outra classe assim: deputados e sanedores, vão lá, votam, enchem a bunda e o povo que cale a boca... Ae bem que na última manifestação coletiva sobre maconha o pessoal apanhou pra caralho... talvez seja arriscado mesmo na nossa "demoDITADURAcracia"

Vamos à ligação com o "profissional" para o assalt... digo acerto.

EU - Olha assim que der vou te levar os documentos aí, só que além do reembolso do meu plano de saúde, não tenho recusros pra arcar com complementos, até porque ainda terei gastos com a continuação do tratamento, medicamentos, vamos combinar algo que seja menos oneroso pra todos

ELE - Faz assim, te dou um desconto... me passa os papéis com o valor já reembolsado E MAIS um cheque de R$ 250,00 ou o dinheiro à vista.

Detalhe que ele tá pouco se lixando: só a botina que terei que usar já é mais que esse preço) fora os medicamentos. Mas para uma ampola de Diazepan e uma seringa descartável, pra dormir uma hora... também quero entrar pra essa quadrilha. Pensa comigo, colocando zé ruélas como eu pra dormir uma hora ganhando quase mil de cada, sendo que algumas são até mais caras, USANDO MATERIAL DO HOSPITAL... vezes 22 dias úteis vezes no mínimo 5 otários = o cara ganha mais que o Presidente da República.

"Antes de falar, penso eu... poxa depois de 4 meses esperando pra receber do INSS, contas lá no olho do cú empilhadas inclusive a pensão do meu filho, não vou ter grana pra tudo, sem contar que o tratamento ainda terá mais R$ 300,00 pra botina sintética necessária pois ficaria mais uns 5 meses com ela fora as medicações..."

EU - Olha senhor... estou tendo mais gastos aguardando, eu não posso te complementar com o valor já pago pelo plano até completar o que me pedes?

ELE - faz assim, então... já estou perdendo o meu tempo contigo... pega esse papel que eu preciso pra fornecer ao hospital e o complementinho que tu quer me dar e dá pra um mendigo na rua tomar um cafezinho... não quero mais perder meu tempo contigo.

Detallhe: o que ele não sabe (e foda-se se souber acho dificílimo ele ler o meu blog mas se ler ótimo) é que no documento, mandarei R$ 15,00 com o educadíssimo texto: "estou te mandando este dinheiro pra ajudar nas despesas do motoboy e o troco pro cafezinho não do mendigo, mas o seu". Este mesmo "profissional" já queria cheques, comigo quando eu, de avental, estava pronto pra entrar no bloco cirúrgico. Pior, que se eu for me enfurecer com o que é sacanagem e sentar a porrada, vou preso por ser anarquista, vândalo, ou qualquer piça que o valha.

Já imagino até a repercussão destes maníacos que saem matando e viram estrelas: Fantástico ia fazer blocos do tipo: EXCLUSIVO - veja os últimos passos do maníaco assasino - o que ele fez, o cocô que ele deixou no vaso antes de sair do banheiro e sair cometendo os abusos ao pobre anestesista... não perca no próximo bloco!!!

Quer saber, ainda quero gozar de prazer vendo uma mutilação pública coletiva, quebrando e colocando fogo em ônibus (que só funciona direito os que cumprem corretamente os horários nos bairros nobres), assaltando e matando político (e colocar o nome disso de RESTITUIÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA), Mandar colocar fogo na Anatel pois tu passa o dia ligando e colecionando protocolo pra dizer que tão metendo a mão em ti e tu espera mais de 45 dias dias pra ouvir NADA.

Quer saber de uma coisa que eu já desisti há muito tempo: ver que esse país de oportunita, ladrão sirva pra alguma coisa.

E se pintar algum "patrulheiro de internet" (que agora parece que virou moda) do politicamente correto pra "pinçar" textos xenófobos, racistas, volência e todo o bla bla bla do caralho, que vá pra puta que o pariu! E reze pra tua mãe não pegar o mesmo anestesista, morar num bairro nobre e NUNCA ter problema com operadoras de telefones ou TV a Cabo na hora de cancelar um serviço.



sexta-feira, 15 de abril de 2011

...até logo



Pode ter sido o dia mais importante, mais fascinante pra ele, talvez pra mim quem sabe. Era uma liberdade ao mundo, um abrir de janelas e lá se vai o filhote num bater de asas. Uma coisa eu aprendi antes de ser pai: filho é do mundo. Mesmo assim, levar o meu guri, pro aeroporto pra ir morar com a mãe me deixando dois continentes e todo um Atlântico no meio, é uma experiência que não quero repetir.
Acho que algumas coisas na vida, todos teriam que passar, e nas minhas experiências adquiridas, a despedida é uma das coisas que eu não consigo aprender a lidar... e você vai falar: "-Que isso! Tem msn, skype, uma infinidade de meios pra encurtar a distância"... quando tu tiver um filho e ter a mesma incumbência que a minha talvez tu entenda o que quero dizer.
Apesar da viagem ser uma alucinação, ele também tava lá meio estranho a gente sabe quando vê, e eu no meu papel verdadeiro de engasgado, se tropeçasse em qualquer coisa já cairia chorando. Conversamos, brincamos, tomamos um lanche, algumas fotos e é chegada a hora de cruzar a porta do embarque internacional. Peguei no rosto dele e procurei falar algo rápido, pra conseguir terminar sem chorar e nos despedimos.
Hoje compreendo o porque demorei tanto pra escrever sobre isto: continuo me engasgando. Naquele momento, larguei aquela cara réplica da minha, e vi suas costas se afastando de mim, e os cabelos espessos, compridos, indo de cabeça baixa, feliz e angustiado ao mesmo tempo. Quando foi cruzar a porta parou, olhou pra tráz, e de cabeça baixa veio como um touro arredio com passos rápidos se atirando no meu colo soluçando, e eu no mesmo abraço desmoronei na mesma hora. Tanto ensaio pra nada!
Ele é a criatura que eu mais amo no mundo, é a minha verdadeira loucura. Assim como à mim... louco, sem freios, insatisfeito, mas é inteligente, lindo e merece tudo o que o mundo agora tem pra oferecer à ele. Separar, ...se afastar, também faz parte do "crescer". O gosto salgado da lágrima ensina que não só de doce se vive a vida. Eu já sabia disso, ele provou e não vai esquecer tão cedo.
Agora, tentando pela enésima vez terminar o texto com os olhos vermelhos, percebo que parte de mim está do outro lado do mundo, olhando quem sabe neste exato momento, a mesma lua que vejo daqui. E a saudade, sempre perto, aproveita meu descuido enquanto olho pro céu e vasculha meus manuscritos e pensamentos, me lembrando que nunca fica longe... e quando vai embora nem se despede mais de mim, apenas diz: "até logo..."

domingo, 10 de abril de 2011

Quebre a perna!

Não. Não virei ator, acho que não daria pro início.

Apenas tirei férias em janeiro e fiz uma estréia depois de 33 de vida, e foi com glamour, pois nunca tinha quebrado nada no corpo nas minhas peripécias da vidinha. Mas mudei o rumo das coisas na segunda semana de 2011 e na primeira das minhas férias, óbvio que merda assim, tem que completar sendo nas férias.

Jogando bola com meu filho, e mais um amigo dele... talento vai, talento vem, sucumbi num tombo que quebrou minha fíbula e a tíbia, e esta última ainda pra tirar uma da minha cara, saiu pra fora da perna pra dar um "oi". Sim. Fratura e exposta com a quebra de dois ossos.

Cirurgia, platina, e ferros com parafusos externos na perna até pelo menos dezembro. Tudo por causa do maldito e assassino esporte "bretão". Começo a achar que definitivamente esporte não é saúde, esporte mata!

Mesmo não tendo desculpa que justifique, foi por esta e outras coisinhas que dei este vácuo no blog, mas devagarinho vamos... e literalmente "mão na roda" agora que estou cadeirante por um bom tempo.

Mas o brabo mesmo é que ainda de lavada, perdi o jogo pros moleques!

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Insight

Rencontrar é para muitos sentir novamente.


A dor ou alegria, o esquecimento ou a lembrança, perto ou longe... tudo se faz próximo ao peito com o calor do sentimento, fazendo-nos redescobrir novas formas de se desvendar ou contar a história de nós mesmos. Senti isso hoje, agora mais precisamente.

Engraçado como um momento de filme particularmente, a linguagem, trilha, fotografia e tudo mais, nos faz cair num poço profundo de questões que talvez nunca poderemos explicar para responder, mas singularmente sentir.

Como se mesmo com toda a força da linguagem, inútil seria depois de exaurida todas as possibilidades, fazer com que toda a história contada do inicío ao fim marcasse a vida de alguém com as mesmas cicatrizes que hoje trago na minha, e fizesse este mesmo alguém entender o quê ou o porquê na verdade das intensidades de nossas emoções.

Muito se pode dizer da vida... da história de cada um com suas nuances de capítulos, mentiras ou heroísmos. Mas nunca com a perfeita propriedade de direito, de conhecimento. Viver uma vida como sempre sonhou, ou apenas passar por ela, como um simples viajente eremita, deixando-a como um livro velho numa estante empoeirada e que provavelmente ninguém um dia irá ler. Esta às vezes é pra mim uma verdadeiramente agonia.

Portanto o certo mesmo é que tudo na imensidão de todas as certezas, somente nós mesmos podemos sentir e refletir a emoção que unicamente nos é reservada e permanece como um perfume de flores na primavera. E quando relembramos seu aroma a cada visita, mais profundo caímos dentro de nós, e assim repaginando para as mesmas perguntas, novas e cada vez mais infinitas respostas.

Esta é a verdadeira queda que nos eleva.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

"Hell" de Janeiro

Acredito fielmente que duas empresas de logística têm eficiência no Brasil: os Correios e o Tráfico S/A. Os caras fazem mega-operações direto de seus escritórios (presídios), custeados por babacas como quem escreve este texto e também... não quero te ofender, mas se tu tá esperto já sabe como termina a frase. Mas que é a real é, fala sério!?

Não bastasse, ainda oferecemos pra vagas deste monopólio do "lado negro da força", passagens aéreas pra todos os Estados do Brasil, guarda-costas armados mais escoltas para passeios urbanos. Comida? Sim, muita e de qualidade. Serviços de quarto diversos... e se um dia estiver estressado e resolver atear fogo no seu colchão... no outro dia terás outro com certza. Visita íntima, e a camisinha, lubrificante, sais de banho + uma espumante estão no pacote. Enfim, candidate-se e viva entre os resort´s mais rentáveis do planeta.

O que está se vendo há dias no Rio, nada mais é que uma estruturação montada pra desmantelar a logística de território que há muito não é mais das pessoas de bem. Pela primeira vez na vida posso encher a boca pra falar que o exército serviu pra algo, porque de nada adianta uma nação com armamentos empoeirando (independente de ser novo ou velho... o que importa, "negrinho" é que são de aço, e bem pesado) como os tanques que tenho visto ultimamente.

Só me pergunto algumas coisas:::??? Porquê isso nunca aconteceu antes? Porquê esse entrelaçamento entre poderes da segurança pública e forças armadas demorou pra se unir de maneira tão potente? Eu vou me dar o direito de usar o meu lado "espiritual" com a experiência de órgão público... vaidade, pura vaidade gestora. E isto é que nem umidade em casa de alvenaria: não damos nada à princípio, mas depois de anos grudada e vista de longe... tu vê a porcaria que dá.

A Marinha se mobilizou em 12 horas segundo o comando da operação... Dá pra se ter noção, comandar a quantidade de gente e distrbuição estratégica que isso envolveu ao todo? Já tava mais do que na hora.

Pelo bem pelo mal, melhor tarde do que nunca... e o que me deixa com um sentimento estranhamente bom e que me paralisou olhando pra TV ontem pensativo... foi ver a opinião da gelara nas ruas uníssona falando que o bem vai vencer.

Sabe, isso soa como música nos ouvidos... o carioca se abaixando pra passar pelo tiroteio e ainda consegue ser otimista. Só que não é aquele otimismo barato de anexo power point nos emails insuportáveis, é uma resposta de crença de que parece que baixou uma fé poderosa na polícia como nunca se viu antes...

Eu também quero passar a pensar assim, já pensou se a gente vence mesmo?

domingo, 21 de novembro de 2010

musicando...


Foi despretencioso mas mesmo assim comecei a escutar o novo trabalho dos caras até ver que o bixo pega mesmo!! Levadas vibrantes, batidas tão quanto, e músicas que acabam grudando mesmo que tu não deixe. Já foi assim com outros sons que estouraram eles na Billboard, platinas e toplist´s.

A banda é Maroon 5, o álbum: Hands All Over [ play ] é o novo trabalho de estúdio dos malucos e a seguir os caminhos dos anteriores, vai gastar muita orelha por aí... Adam Levine (vocal) tem uma própria melodia já grudada na voz e arranca sonoros agudos enquanto a cozinha faz sua parte na perfeita medida.

Vai sem medo, e larga um pouco de escutar esse estilo que inventaram de colocar a "universidade no sertão", porque pregando sempre o mesmo prego no mesmo buraco... não há martelo que resista.


sábado, 20 de novembro de 2010

arrogância

Manifestos tão gratuitos pela rede e que se proliferam a vida inteira, hoje são usados como bodes espiatórios pra chicotear quem levanta a bandeira burra da segregação, seja ela racial, sexual ou econômica e quem bate, não me convence que não o faz "cenicamente" gritando na mídia a sede de justiça e igualdade, pra depois, em casa, ser bem servido pela "preta velha" ou a "nordestina" que não consegue emprego e se atira em qualquer possibilidade. Mas agora vai... a justiça vai andar de vez, porque hoje temos a solução da humanidade: Twiter, Facebook e afins...

Esta classe hipócrita é na sua maioria, formada pelos mesmos brasileiros arrogantes que um dia vão pra Disney e voltam como se tivessem feito o Caminho de Santiago de Compostela descobrindo o seu "eu interior"... ou então vão pra Miami e voltam com o rabo no meio das pernas cheio de bugiganga e a fatura do cartão fudida, deslumbrado por um país tão quanto ou até mais racista e xenófobo que nós mesmos, mas o que tá na moda mesmo é copiar, então lá eles inferiorizam os mexicanos, brasileiros, e qualquer coisa que não seja de origem "Tio Sam"... aqui vamo jogar pedra nos pobres.

Convivemos com pessoas que moram no meio da merda e do mijo onde o bairro sequer tem nome (como se isso tivesse alguma diferença), e que condena à forca quem vem de bairros emergentes. Colocam como parâmetro que a sua escolha eleitoral, define o nível de inteligência, e logo sua expurgação de joio do trigo. Parece que ela fazia Direito... mais uma pra anos depois fazer que nem a vagabunda da juíza que maltravava a filha adotiva... e que talvez tenha negado muito pedido de guarda de pai (como eu) por uma mera razão de "estar a fim".

Grava na pedra o rótulo de inferior em quem vem da humilde criação de família, e não parou pra ver que está tão mais arrombada que o próximo que vem chegando. Senta no avião e quando olha pro lado vê seu vizinho e fica irritado pensando que este deveria ser um privilégio só seu. Se acha melhor a ponto de bater e machucar alguém, só porque na hora de trepar... a posição que o outro gosta não é a mesma que a dele...

Nunca precisei de Twiter ou Facebook pra descobrir isso ou fazer polêmica e dar fama pra ninguém. Sempre imaginei esta visão da mesquinharia humana... me bastei ouvindo um vinil do Chico há trocentos anos atrás e pensei: como ele foi feliz jogando a pedra na Geni...

Disseram que a gente descesnde do macaco... pobre macaco... que sacanagem!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Vossa Excelência...

Uma personagem dias atrás resolveu armar barraco em Brasília. Barraco dos bons.

Agora entendo a importância da campanha do desarmamento, pois se eu mesmo tivesse uma arma na mão, confesso que não sei o que faria.

Uma senhora integrante da política neste respeitadíssimo País pede a palavra e descamba o pau numa cambada de filho da puta (e como não puxo o saco de ninguém... sabe-se lá se ela não tá inclusa em alguma outra coisa, mas vambora...) e transforma a pocilga, num silêncio que se ouvia até o piscar dos fiofós da bandidagem... [Veja o vídeo]

Não menos que isso, dia 1º de Outubro antes do primeiro turno das eleições, um rapaz da safra deste novo humor exercitado no nosso tupiniquim – o "stand up" (tem até programa de tv) vou chamá-lo de humorista (não estando em questão a qualidade, mas sim o fatos COMPROVADOS há tempos depois pela imprensa e sociedade em geral) faz chover bicas de merda num teatro de Brasília e até agora não sei como não foi interrompido, pela polícia. Na internet consegui assistir as seis partes que compões o vídeo mas o link que deixo está na íntegra e sinceramente... só de ouvir e relembrar tudo o que o cara fala desanima ser honesto... [Veja o vídeo]

O problema é que mesmo com estas manifestações, o povo não faz mais nada... perdeu as balas da arma (se é que um dia teve) porque parou de apanhar, morrer e se exilar na ditadura pra cair dentro do câncer corruptivo da república, nada mais revolta o brasileiro. Aí ressurge umas mentes dissolvidas em "Frexenet" falando verdadeiros estupros xenófobos nas escolhas políticas, esquecendo que a a grana que engorda a rica bundinha dela, já alimentou muitos ratos que hoje são donos de queijarias em Braília.

Temos que conviver com o verdadeiro holocausto da vida cafejeste que as pessoas mesmo criam, colocando em evidência leis vadias que incluem no poder figuras tão importantes como a Formiga Atômica (pra você que é mais novinho, substitua pelo Ben 10). E a culpa é minha, e também tua, meu caro. Hoje sabemos a qualidade, hombridade e poder nefasto das pessoas que não param de se reeleger e que já patriarcaram a renda pública nas suas famílias.

O país já passou por várias e avassaladoras denúncias de corrupção, presidentes foram arancados do poder (mas já voltaram pelo voto, meu querido) fomos obrigados a assistir o Ministério da Economia roubar o dinheiro dos nossos pais, congelando todas as economias pra combater a inflação. Teve gente que se matou de desespero na época, nêgo.

Mataram vários poíticos no Brasil... algumas Vossas Excelência usavam até serra elétrica. Mas eles não eram justiceiros não... é que estavam no caminho deles...

O que mais dói, é que sou obrigado a escutar alguns dizerem que na ditadura não era assim... podia até não ser... mas só até a metade deste texto já tinham torturado até o meu cachorro!

Passam-se Carnavais, Futebol, Caipirinha e Zé Carioca pro gringo ver... e o único tumor que não mata é este das mentes do câncer da corrupção institucionalizada... e que com muito dó, nunca deixou nosso país livre.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

2.000 visitas...!


O Blog depois de meses no ar, chega a marca de 2.000 visitas.

Pra muitos pode não ser nada ou pouco, mas sinceramente quando se cria algo com a intenção de mostrar a cara falando da vida e às vezes fazendo crônicas dela, preservando fatos descritivos e pessoas - cabendo lembrar que se convencionou chamar isto de Ética – fez com que inclusive me aventurasse em loucuras literárias de humildes poemas e junção de palavras.

Algumas histórias/crônicas que e em alguns casos nem precisam ser reais, criaram desconforto à alguns, alegria ou identificação à outros (o que é normal). Me proporcionaram o absurdo de ver até um alvo correr pra acertar a bala, assim como reencontrei pessoas que sequer deixam comentários mas depois mandam-me uma mensagem pra dizer o quanto à toquei com o que escrevi.

Estas reações não tem variações, pois o mínimo que tu pode esperar de retorno, vem automáticamente: pedras ou aplausos. Aceito os dois da mesma forma, mas com um diferencial – sei dar valor a quem me agracede e retribuo, e sei tratar com respeito quem me bate, pois a culpa entrega gratuitamente e o "esperneio" é livre. Mesmo que tenha usado a (repito) Ética de um texto limpo.

O Blog cresceu naturalmente, tenho queridos amigos que lêem até fora dos meus rincões... Pra alguns exaltados sempre é bom algumas observações: este espaço não é pra baixarias, pregações religiosas de pseudo pastores filósofos em busca de sermões espirituais, e não estou me referindo à nenhum dos meus seguidores... que o alvo corra atrás da bala novamente. Mas é ótimo saber que mesmo com esta atitude tenho inclusive leitores com esta diversidade cultural.

O Blog nasceu mesmo pra ser livre. Não confunda isto com palavrões que escrevo ou expressões chulas, isto é realmente a minha "licença literária" que as vezes não há outra palavra que se se imponha com tamanha potência.

Quando comecei SenTiMenTos, o fiz pra exorcizar a ânsia que tinha dentro de mim por sofrimentos, dores, mágoas... os sentimentos bons também, mas os ruins sempre estiveram ainda assim presentes nos textos, pois instigar, contestar, fazer pensar foi uma das primeiras bandeiras que levantei aqui. E sei que não sinto sozinho tudo isso que bate em meu peito.

Portanto, meu muito obrigado à vocês todos, e vida longa (mesmo que um pouco preguiçosa) ao SenTiMenTos.

Meu profundo carinho.

SiL



sexta-feira, 12 de novembro de 2010

pílula do dia...

Tapa no relógio. E o negócio começa devagar... um olho, depois o outro... argh!

Na maioria dos dias parece que dormi na praia (mas é pela única sensação de que alguém caminhando jogou areia nos meus olhos...). Tá... eu sei, minha gasolina anda batizada. Mas bem na boa, acho que já é coisa da idade mesmo...

E como todo bom e velho fim de ano: está aberta a temporada de açougue. Cada um na busca do "ouro perdido" pra presente de Natal. Academias enchem pra depósitos dos mondongos. A praia precisa ser a imagem perfeita do desejo.

E a paciência de todos fica láááá no joanete daquela tia velha....

Acho que tô precisando de férias...






LinkWithin

Related Posts with Thumbnails