quinta-feira, 22 de julho de 2010

Suspiros de vento...













Somos como o vento.
Ele tráz coisas boas, ruins, ás vezes é fraco, outras forte.

O peso do que sentimos também é movimentado por ele da mesma forma.
Coisas boas geralmente são leves trazem conforto, talvez isto explique o porque elas vem e vão com tanta facilidade. As ruins como são pesadas, chegam e ficam por muito tempo, ou demoram pra chegar.

Como o vento, temos total intensidade de suas rajadas, e com ela somos tormenta... destruímos.
Assim como no verão, se brisa somos... a calmaria constrímos.

Balançar cabelos, beijar sorrisos, surrupiar papéis... traquinagens.
Bater portas, assoviar, frio cortantes... maldades

Quando quente, somos mais livres, ganhamos o céu
Quando frio, transitamos, procuramos aconchego

Algumas diferenças poderiam não existir, talvez sem elas fossemos menos infelizes:
Vento não chora
Vento não perde nada
Vento não sente falta
Vento não tem saudade
E a melhor delas, pois definitivamente, o vento não tem memória.

2 comentários:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails