domingo, 15 de agosto de 2010

domingo no parque


Não, não precisa te preocupar que não vou falar daquele programa que tu nem era nascido e eu já assistia no sofá de casa aos domingos comandado pelo camelô mais rico e bem sucedido da história do Brasil. A coisa aqui vai ser mais simples, mas não menos sofrível: fui eu e mais três dóceis criaturinhas (incluindo meu calmíssimo fiilhote) ao parque neste domingo.

Na verdade, tirando a coisa da diversão pra criançada, também por trás de tudo tinha a idéia maligna de dar uma "sumanta" neles e deixá-los duros até uns três dias depois... no final das contas, eu não ganhei tanto assim, mas eles tomaram uns cagaços também, e com isso, diversão pra todas as idades ...

Chegamos e nas imediações do local de sadomasoquismo (sim... tu vai me dizer que não é agora? Um bando de malucos que paga pra sofrer e gritar de desespero...) já ouvíamos os gritos e pedidos de clemência e como isso é estranho na criançada... aí que eles ficam adrenalizados. Pulseiras colocadas por módicos preços que qualquer pai de família pode levar a sua de 5 filhos com um financiamento da Caixa... adentremos o recinto... Calma! Na placa, ainda do lado de fora, vi que quem acompanha também paga... me senti entrando numa casa de swing, e, como voyeur, adquiri meu direito de ver o sofrimento alheio.

Brinquedos vão e gritos vem... chega a hora da montanha russa (que mesmo mixuruca nunca manifestei vontade de andar) minha relação com estes brinquedos que saem mais de um metro do chão praticamente inexistem. Roda gigante pra mim já é um brinquedo violento. Prefiro brincar onde meus pés podem tocar, mãos tatear... bom deixa quieto...

Mas como ia falando... na montanha russa, eles começaram a manifestar as divergências na fila, pois só meu filho queria andar... os outros dois estavam com medo... pô nêgo, imagina a cena: meu filho parecia o gato de botas do Shrek me olhando e não queria andar sozinho... pedi pra eles não saírem do lugar, fui lá, comprei um ingresso avulso e na volta, acho que eles se ligaram que eu ia ir e de duas uma: ou tomaram coragem, ou quiseram me enrrabar e conseguiram... o certo é que fomos os quatro.

Tarde passa e já escurecia... eles já estavam visivelmente acabados de tanto vai-vem e sobe-desce... já me sentia vingado, quando para não muito surpresa minha, um deles sai de uma das engenharias da Santa Inquisição se encosta do lado e larga os bofes e almoço pra fora... pensava eu que iria ouvir "vâmo pra casa" quando limpando a rica boquinha tasca: "Ôba, to novinho, era disso que eu precisava!"

Neste momento, uma furtiva lágrima brota em meus olhos e meu lábio inferior treme de desespero, chega! Era a hora de colocar ordem na casa... dei um tempo pra eles e combinamos algumas coisas e depois iríamos embora... no fim larguei eles em mais uma volta na montanha "mixu"russa e arrastei os pacotinhos pra casa... eu tava gelado e cansado também.

Me sentia um entregador de jornal, jogando o que restava em cada casa, e trouxe "o meu" e empilhei os pedaços debaixo do chuveiro... comida e um desenho que não viu 5 minutos... ba-ba-va no travesseiro... acho que eles devem ter curtido um bocado, e pensando bem... acho que eu fui muito pior quando criança, então vamos passar uma régua nessa conta e deixar tudo assim.

Nada como um domingo no parque...

Um comentário:

  1. Muito bom Domigo cm crianças
    Jah fiz minha mãe sofrer ao domingos
    muita redenção,Gasometro tardes que
    pra ela ñ terminavam nunca!!
    Muito bons esses meninos

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails