terça-feira, 15 de novembro de 2011

time is money


Fiquei muito tempo sem escrever, eu sei. Meu rítmo, minha vida não seguiu na mesma intensidade das minhas idéias. Se você que me fez chegar a mais de cinco mil acessos faz parte disto ou é sua primeira vez, mesmo assim obrigado.

Não sou colunista, tampouco escritor. Nem autor dos inúmeros textos dos sempre "Martha Medeiros, Arnaldo Jabor, ou Luis Fernando Veríssimo" que rolam pela rede. Escrevo sobre qualquer coisa, muitas já foram sobre minha vida, outras ilusões, já me atrevi à poemas, meras crônicas que depois amigos me perguntavam se eram verdade, mas não eram... apenas minha mente maluca criando personagens e pregando peças, às vezes em mim mesmo.

Meu 2011 foi difícil mesmo e por mais tempo que tenha passado em casa, devido há um acidente no quinto dia de minhas férias em janeiro, acredito que a mente também resolveu travar. Bem como travei na porta do aeroporto com a cadeira de rodas pre entregar meu filho pra outro continente. Tenho no subconsciente a certeza da verdadeira inutilidade que foi tentar dormir e acordar durante todos dias.

Sempre quis escrever com o máximo de regularidade, mas é só tu te largar nas cordas uma senama que a disciplina vai embora. Tempo é uma coisa estranha. Pra alguns é um bálsamo pra outros uma tortura, como faço parte da segunda definição, ainda acrescento que olhando bem na cara dele... dá pra ver nitidamente um sorriso libertino com um dedo ressecado apontado na sua cara.

Parece que precisamos a todo momento estarmos prontos pra tudo, precisamos ser indestrutíveis, nunca desanimarmos, e sermos acima de tudo, doces criaturas sempre, durante todo o... tempo.

Algumas pessoas se orgulham pra falar na teoria de que o tempo nos é divino e é óbvio que não concordo, se assim o fosse deixaria de açoitar o mundo não deixando nem a carne sangrando nas costas, pois o passado tu nunca vai poder mudar, o futuro não pertence a nenhum personagem bíblico, desculpa se te magoei!

O futuro pertence conforme a quantidade de dinheiro que carrega tua conta bancária, aí fica fácil ter religião, acreditar no improvável, simples assim. Ou você já viu a Bolsa de Nova York de mãos dadas orando fervorosamente para as ações deixarem de cair? Ou melhor: a Europa agora... algum dos governantes fazendo novena? Correm boatos que fizeram isso em 1929, o e resultado todo mundo sabe. Quem manda no mundo é o dinheiro. E com ele, se compra até o tempo.

No mais... é só ficar escutando o maldito tic-tac, te avisando que tu ta preso mesmo é no presente, que carrega até no nome o próprio deboche, cercado de zumbis olhando pro próprio umbigo e para os extratos bancários.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails